Socialize

RSS Feed

5 anos de Lei Maria da Penha – Faça valer os seus direitos

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (24 votos, media: 4,00 de 5)
Loading ... Loading ...
24.550 acessos

Esta matéria não trará fotos bonitas, cheias da Expressão Feminina como eu gosto de retratá-la. Terá sim, fotos fortes, de Campanhas contra a agressão doméstica. Hoje comemora-se 5 anos do sancionamento de uma importante Lei, que surgiu para coibir este tipo de atitude contra a mulher: a Lei Maria da Penha. Peço que leiam até o fim! O assunto é de suma importância para toda a sociedade e principalmente, para nós, mulheres.

Em 7 de agosto de 2006, foi sancionada pelo então Presidente Luis Inácio “Lula” da Silva, a Lei Maria da Penha, que visa aumentar o rigor das penas aplicadas aos causadores da violência doméstica contra as mulheres.

Maria da Penha Maia Fernandes é uma biofarmacêutica brasileira que ficou paraplégica devido às agressões que sofreu do seu marido. Sua luta para que seu agressor viesse a ser condenado fizeram com que a Lei levasse seu nome. Maria da Penha hoje é líder de movimentos de defesa dos direitos das mulheres.


Diz a introdução da Lei Maria da Penha:

“Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de Execução Penal; e dá outras providências.”

À primeira vista, a resolução do problema parece simples: foi agredida? Denuncia o desgraçado, faça com que seja aplicada a Lei Maria da Penha e nunca mais queira ver o infeliz por perto!

Lembro no final da minha adolescência, quando soube que uma colega era agredida pelo namorado, que e eu, prontamente, disse pra ela o óbvio (pra quem está de fora da situação): Larga esse cara! Ela contra-argumentava que depois ele se arrependia, pedia perdão de joelhos, trazia flores, ficava que era um doce… E então ela acreditava que não aconteceria mais. E, como gostava dele, acabava continuando a tal relação sado-masoquista que tinha se instaurado.

Claro! É este o mecanismo inicial: o agressor tenta despertar a piedade da vítima, e tenta convencê-la de que teve um momento de descontrole “porque a ama demais”! A vítima, fragilizada pelo ocorrido que provavelmente  a fez pensar: “Não pode! Foi engano! Não pode ter acontecido comigo!Eu não merecia isso!”, acaba aceitando, querendo crer que o imbecil “caiu em si” e viu a merda que fez. BULLSHIT!!! Isso é golpe! Faz parte do jogo! O agressor só está criando a dependência emocional da qual precisa para manter a vítima envolta por seu sentimento doentio! E entendida esta dinâmica, foi criada a Lei Maria da Penha, para livrar a mulher deste perigoso ciclo.

Não falo por “achismo” ou só porque leio “as pesquisas” sobre o assunto… Infelizmente, falo por experiência própria. Sou uma sobrevivente! Fui vítima de agressão doméstica. Faço parte das malditas estatísticas: pesquisas revelam que 1 em cada 5 mulheres ADMITE já ter sofrido algum tipo de agressão por parte de um homem (fora as que não admitem!) e que, em 80% dos casos, os responsáveis por tal ato foram seus parceiros (marido ou namorado). E fui beneficiada pela Lei Maria da Penha ao dar meu basta na situação.

Mas o fato é que os sintomas de que o seu “príncipe encantado” é, na verdade, um agressor, podem ser percebidos desde muito cedo. Hoje, anos depois do que foi o maior pesadelo que já vivi, percebo que tudo poderia ter sido evitado muito cedo.

 

Vamos aos sintomas!

-Ciúme excessivo: Não! Isso NÃO QUER DIZER que ele te ama demais! Isto demonstra que o cara tem baixa auto-estima e que não consegue estabelecer uma relação de confiança contigo. Também pode demonstrar que ele é tão desonesto contigo que acredita que também devas ser com ele! Teu namorado é ciumento demais? Pula fora enquanto é tempo!

-Censura frequentes às tuas roupas, tudo é “indecente”: o cara não te vê como mulher, mas sim como um objeto de propriedade dele. Dica: não deixe de andar como bem entende! Se ceder uma vez, a coisa só tende a piorar! Vai acabar querendo que tu andes de “Burka”! Imponha tua vontade!

-Críticas e ofensas: se em uma discussão ele começa a desferir pejorativos, já demonstra a falta de respeito por ti! Deixe claro que não aceitará novamente! Se continuar acontecendo, manda andar! Continuando com ele, soará como se tivesse aceito e não vai parar de acontecer!


-Tapa, apertão no braço, ou qualquer outra forma de agressão física: Não! Não foi um “momento de descontrole”!  Quem agride fisicamente É um descontrolado! E, NÃO! Por mais que tu sejas a coisa mais querida do mundo, se continuar com ele, VOLTARÁ A ACONTECER! Pode passar meses… Mas um dia COM CERTEZA, acontecerá de novo! Por mais que estejas perdidamente apaixonada, larga que é fria: teus bons atos não vão convencê-lo de que não mereces os destratos. Antes, demontrará que foste “domada”. Que ter sido agredida te deixou “mais comportada”!

E por aí vai… Existem muitos outros sintomas, mas ao meu ver, esses são os mais pontuais.

E a solução é uma só: Se afastar dessa pessoa! Sério mesmo: NÃO DEIXAR QUE ELE SE APROXIME mais de ti! Porque as estratégias utilizadas pelos agressores são sempre as mesmas e, às vezes, um único encontro pode ser o suficiente para que sejas enredada novamente no jogo de chantagem e dependência que se arma.

 

Há, também, mulheres que aguentam uma situação insustentável, por não quererem separar os filhos do pai, sem perceberem que, justamente, PELOS filhos, DEVE afastar-se do agressor. Afinal, que tipo de homem ou mulher será um menino ou menina que assista a mãe ser agredida pelo pai, e depois os vê de beijos e abraços? Provavelmente entenderão que a  dinâmica é esta: a agressão e depois a reconciliação. E crescerão achando que este é o normal. E não é! Amor tem que ser gostoso! Não tem que ter dor. Não pode ser amargo!

E o assunto não é brincadeira: o desfecho de muitos casos é a morte!

Descobri alguns sites sobre o tema. Existe, inclusive a Rede Social Maria da Penha, onde podem ser encontrados detalhes sobre onde buscar apoio e proteção em caso de agressão, quais são as fases da violência doméstica e até como identificar um agressor. Outros, como o Mais Mulheres no Poder, já entram no âmbito político, incentivando mulheres à agirem ativamente quanto aos seus direitos, sendo que uma das formas de fazer que isto aconteça é participando da política.

A agressão doméstica contra a mulher é algo muito frequente, em todos os países, em todas as classes sociais. É uma questão cultural universal que, para mim, soa ter seu berço nas religiões, pois onde senão nos “Livros Sagrados” é mais demonstrado que a mulher esta abaixo do homem, que lhe deve respeito e obediência, que a honra masculina está acima da vida da mulher?! Como já falei, em algum outro post, já começam nos ensinando (e ainda bem que não aprendi) que há um “ser supremo” no Universo e que este ser é um “Pai”, ou seja, um homem!

A violência contra a mulher deixa marcas indeléveis. Hoje, tenho a impressão de poder identificar na rua a mulher que está sendo agredida. Já parei para conversar com algumas delas e confirmei minhas suspeitas. A agressão doméstica abala a auto-confiança e auto-crítica da mulher. Seu olhar muda, tornando-se pesado e distante. Atrapalha sua concentração, sua capacidade de raciocínio e de aprendizado. Destrói uma parte de sua personalidade.

Mas é possível se reconstruir.  E o primeiro passo rumo a esta reconstrução É AFASTAR-SE do agressor.

Então se tu sofres ou conheces alguma mulher que está sofrendo algum tipo de agressão, procura ajuda, oferece ajuda.  Tome ou ajude alguma outra mulher a tomar a decisão certa, que é abreviar o seu sofrimento e reassumir as rédeas da própria vida.

E que o MEDO não seja impedimento para dar um basta na situação! Afinal, saindo da relação violenta, há uma chance de voltar a ser quem se era. Aceitando, será o atestado de que isso NUNCA voltará a acontecer. Tu deixarás de ser tu mesma para se tornar vítima de um doente-mental. E o final pode ser mais trágico do que se imagina!

Que essa vez, seja a última vez, como diz na letra de “This Time”, música de Celine Dion sobre agressão doméstica! Ouça, assistindo ao vídeo abaixo! Para letras e tradução clique AQUI!

Se ame! E faça valer os seus direitos! Parabéns e muito obrigada à Maria da Penha Maia Fernandes!

 

 



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Publicado por em 7 de agosto de 2011. Arquivoado em Família,Feminismo,Iniciativas Femininas,Reflexão. You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0. You can leave a response or trackback to this entry

53 Respostas para 5 anos de Lei Maria da Penha – Faça valer os seus direitos

  1. Milene Bordini

    7 de agosto de 2011 at 23:54

    Oi, Paula!
    Passei para conhecer o teu espaço!
    Parabéns pelo trabalho!
    Foi um prazer te conhecer!
    Te desejo sucesso na empreitada que tens pela frente!
    Bjs!

  2. Paula Berlowitz

    8 de agosto de 2011 at 0:33

    Oi, guria!!!

    Que bom que passaste por aqui!

    Também gostei muito de te conhecer e da coincidência…

    Uff, nem me fale! Sei que o trabalho vai ser grande, mas acredito estar preparada! Se tem algo que sei fazer é reinvindicar, então acho que vou achar minha veia nessa história!

    HUShuashuahushuashu A Câmara que me aguente depois!

    Vamos combinar outra Girlish Party uma hora dessas!

    Bjs

  3. Thaís

    8 de agosto de 2011 at 10:34

    parabéns pelo texto! muito bom!

  4. Paula Berlowitz

    8 de agosto de 2011 at 11:29

    Valeu, Thais!

    Volte sempre!

    Aqui, tu sempre encontrarás informações sobre as mais variadas temáticas de interesse feminino.

    Vou espiar teu blog também!

    Bjs

  5. Paula Berlowitz

    8 de agosto de 2011 at 11:32

    Hm, não tem nada por lá ainda…

    Voltarei em alguns dias, Thais!

    Bjs

  6. noname

    10 de agosto de 2011 at 0:51

    Lei maria da penha, foi uma lei criada pra acabar com os homens.
    Engraçado e irônico ter um artigo que fala sobre “Tortura psicológica”, algo do tipo.
    Mulheres fazem isso todo santo dia com milhares de homens no mundo, por meio de joguinhos psicológicos, testes de apego, provocações de ciúme, greves de sexo, mas isso ninguém comenta claro. As feministas jamais vão comentar isso não é mesmo.
    A mulher se envolve com homem violento porque quer e gosta. É, é isso mesmo. Mulheres tem radares mais eficientes que da Nasa pra identificar personalidade dos homens. Fazem isso naturalmente e reconhecem facilmente homens bonzinhos, cafajestes, violentos, passivos, fracassados, alfas.
    Então se elas apanham de um homem e continuam com ele, é porque gostam disso. Então ficam achando que poderão mudar ele com sexo e carinho, mas não vão, jamais.

  7. Paula Berlowitz

    10 de agosto de 2011 at 8:50

    Sr. “NoName” (obviamente, pois quem expressa opiniões insensatas deste tipo não tem coragem de assinar embaixo! “Muito machão!”):

    Em primeiro lugar, a Lei Maria da Penha NÃO foi criada para “acabar” com os homens. Ela foi criada para dar o devido tratamento a seres estúpidos do sexo masculino. Creio que não dá para chamar esses seres de “homens”. Chamamos assim, por convenção, por questões biológicas.

    Por exemplo, o HOMEM com quem vivo agora não se opõe em momento algum a existência da Lei Maria da Penha, pois esta não se aplicaria a ele, uma vez que é uma pessoa gentil, inteligente e que quando diverge de minhas opiniões CONVERSA, não tenta agredir! Motivo pelo qual torço para que seja ele o homem com quem compartilharei minha vida hoje e sempre.

    A agressão é a solução do incapaz, do ignorante Daquele que sabe não ter razão, do que não tem argumentos para o debate, do que não tem CAPACIDADE para argumentar! “Tortura Psicológica” é uma das agressões mais frequentes em diversos tipos de relação: pais/filhos, patrão/funcionário, homem/mulher, mulher/homem. Não é uma exclusividade feminina!

    E a respeito do que as feministas vão ou não comentar, deixo para elas lhe responder, pois não sou uma “feminista”, uma vez que considero “feminismo” a versão feminina de “machismo”. O que escrevo, escrevo como Mulher. De fato, concordo que “joguinhos psicológicos” são bastante irritantes e acredito que ninguém deveria utiliza-los. A conversa, o franco debate é sempre a melhor alternativa para resolver divergências. Pelo menos, entre pessoas inteligentes.

    Quanto às “provocações de ciúmes”, penso que muitos homens podem se sentir provocados por terem baixa auto-estima, por não “confiarem no próprio taco”. O homem ou a mulher que tem auto-afirmação e vive com um cônjuge honesto, não tem porque sentir ciúme excessivo (um pouquinho, quando se ama, é sempre normal. Demonstra o receio da “perda”.).

    Mas uma pergunta que lhe faço: em que momento da ciência foi demonstrada sua afirmação de que “Mulheres tem radares mais eficientes que da Nasa pra identificar personalidade dos homens.”??? Não me parece uma ideia com fundamento. Aliás, parece BASTANTE ABSURDO!!! Terias capacidade para defender este teu argumento?

    Sobre a relação violenta que vivi, o que posso contra-argumentar é que dos os relacionamentos que tive, somente neste fui agredida. E este homem, vim a saber depois, já agrediu outras namoradas antes de mim. Então lhe pergunto: Será que o problema era EU ou ELE? Por questões estatísticas, já tenho esta resposta! Pelas minha experiência e por relatos que já ouvi, noto que o agressor tem sempre o mesmo perfil: demonstra-se excessivamente zeloso e carinhoso no início do relacionamento. Só muda quando percebe que a vítima já foi “fisgada”! O que o Sr. sugere que se faça, então? Que as mulheres FUJAM de todo homem que se demonstrar muito carinhoso com elas? Me parece um contra-senso, não?! Creio que as pessoas iniciam um relacionamento com alguém, baseadas no que este alguém se demonstra inicialmente. Se esta demonstração for uma máscara, só se descobrirá depois. E, aliás, quem se sente impelido a fingir que é algo que não é, de fato, só prova ter desvio de caráter.

    Pelo teu comentário, parece que tu, também ÉS um agressor (o que pareces demonstrar, claramente, com tua opinião), e acreditas estar correto em tua posição. Ou talvez sejas um homem frustrado com seus relacionamentos. Talvez um “bonzinho” que foi trocado por um “cafajeste”.

    Outra coisa: teu comentário me lembrou o discurso da Deputada Myrian Rios, totalmente confusa com as definições de homossexualismo, opção sexual, pedofilia e crime sexual (uma TOTAL demosntração de falta de instrução!!!).

    Amigo, se uma relação está insustentável devido a joguinhos psicológicos, testes de apego, provocações de ciúme, greves de sexo, etc, qual te parece a solução para isto? Espancar a mulher? Não lhe parece mais sensata uma separação?! O fato é este: se uma relação está insatisfatória, isto NÃO DÁ o direito para que uma pessoa lese física ou moralmente a outra! E se uma pessoa está se sentindo lesada, que ponha fim à relação, não “tire” o outro pra “saco de pancadas”! Foi o que fiz! O meu agressor que vá em busca de sua próxima vítima! Eu, hoje, vivo feliz e BEM longe dele! Tenho, inclusive, medida protetiva, para estar certa de que ele não se aproxime (de tanto que eu gostava, né?!).

    É LAMENTÁVEL ler um comentário como o teu, que só reafirma o PORQUE da NECESSIDADE de uma Lei como a Maria da Penha, que NEM PRECISARIA EXISTIR se não houvessem homens TÃO IMBECIS como tu, com pensamentos tão MEDÍOCRES, mas que não tem nem coragem de assinar embaixo deles!!!! (huashuauhshuashuahus Que “baita” homem!)!

    EU assino embaixo das minhas próprias opiniões! EU me assumo! EU não preciso esconder minha cara atrás de um “NoName”!

    Ah, e sobre as “greves de sexo”, se tuas mulheres tem o costume desta prática, questione-se se não és ou muito grosseiro (o que é muito “brochante”) ou MUITO RUIM de cama (que é tão brochante quanto!).

    Sugiro que procures auxílio psicológico. Me pareces alguém com problemas a resolver…

    Boa sorte!

    Ai, ai… realmente LAMENTÁVEL!

  8. Moni

    10 de agosto de 2011 at 8:57

    Como sempre digo, homem só presta para fazer filho, o resto eu faço tdo o q eles podem fazer e melhor, não tem o pq nos sentirmos inferiorizadas, vitimizadas, vivendo no inferno. Homem cafajeste é o q mais tem, se ela quer viver com algum imponha suas vontades e regras, não permita uma palavra de baixo calão, se assim ocorrer corte o mal pela raiz. Mulher NÃO tem q ser sub-jugada por ninguém.

  9. Paula Berlowitz

    10 de agosto de 2011 at 9:18

    Pois é, Moni.

    Eu nem generalizo, pois acredito que nem todos. Atualmente, vivo com uma cara muito legal, que é melhor pai para meus filhos do que o pai biológico sequer sonhou ser. Meu irmão também é bom pai e bom marido.

    Mas CONCORDO que não precisamos dos homens. EU estou com o meu por que QUERO, porque é uma pessoa que me faz feliz, não porque preciso. Podemos, realmente, executar funções nas mais variadas áreas com grande maestria! E quando TODAS as mulheres se derem conta disso, o mundo ficará bem melhor!

    Mas o “amigo” aí de cima nos demonstra BEM para quem as leis são criadas: pra quem não tem decência moral própria, para quem não tem responsabilidade individual!

    Idiotas como ele merecem nosso TOTAL desprezo! Vai acabar sozinho e f….., tal qual o idiota que me agrediu!

    Valeu o comentário!

    Bjs!

  10. lulzsecsux

    11 de agosto de 2011 at 1:00

    Eu em partes concordo com o Sr. Noname, foi feita para acabar com o homem, se você conhecer algum advogado que pega essas tipos de caso, eles podem te confirmar, que já viram muitos homens inocentes se ferrarem por causa disso. Para vocês mulheres é fácil falar, pois é a favor de vocês, pimenta no cu dos outros é refresco, não tem como vocês serem vítimas de uso indevido dessa lei.

    Agora veja uma das vezes que quase já fui preso por causa dela, como ela tem vários furos..

    Ok, eu estava com uma mina.. terminamos, Umas 2 semanas depois, ela um dia num bar, perto da minha casa me mandou uma mensagem no celular, e me pediu para passar lá para conversar, ai chego lá, tranquilo, ela estava com um cara que ela conheceu, até então de boa, eu já sabia que ela já estava com outro, por que meu amigo é namorado da prima dela, ele me contou… ai eu cheguei na mesa, a gente se afastou um pouco do bar, e começamos a discutir, e ela saiu correndo chorando… o namorado dela, tentou me bater com os amigos e dá uma garrafada em um amigo meu que foi comigo… a gente correu, mais como era perto da minha casa, cheguei na quadra, tinha muito brother lá, ai a gente desceu lá no bar de novo, eles sairam correndo, e ele foi deixar ela na casa da prima dela que eu fiquei sabendo, subi lá e fiquei esperando ele… ai a prima dela viu eu subindo chegou lá com policia, fui para a delegacia, chegou lá, estava ela, e as 2 primas dela ( que nem estavam lá na hora ) com hematomas, e com o pai que é advogado da União… me acusando de Maria da Penha, e foi por muito pouco que eu não fui parar na delegacia por causa dessa lei, e olha que nem dela eu queria saber… queria só matar o fresco do namorado dela…

    Outra, já fui provocado por uma mulher, para agredi-la e ela fazer eu ir preso… por tanto que dei queixa dela na delegacia por causa disso…

    Agora você acha mesmo, que essa lei é perfeita como você a defende? Acho melhor você rever, que até quem entende mais do que eu e você de Leis, Constituições… que você não aguentaria falar metade desse texto que você escreveu antes da pessoa te fazer calar e mostrar que você sim está falando asneira, irão te explicar por que ela é falha, errada… não é quem é contra é espancador de mulher, você sai rotulando os outros, mais quem está se passando pelo ridículo é você… eu tenho 2 irmãs e não levanto a mão para elas ;)

    Se bem que o problema não é bem a Lei, é o país em ela ‘teria’ que funcionar… por que brasileiro(a) é foda..

  11. Sandro

    11 de agosto de 2011 at 1:23

    É o seguinte, sou homem e não gosto de ver monstro nenhum batendo em uma mulher. Meu pai agride minha mãe, mas por medo ela não pode fazer nada =/ Mulheres, podem contar com o meu apoio pra acabar com essa barbaridade. (ps : não sou gay, só não acho bonito homem bater em mulher) Fuiz

  12. Paula Berlowitz

    11 de agosto de 2011 at 11:15

    HAHAHahaha! Mais um que enche a boca pra fazer um comentário esdrúxulo e mal redigido! Mas que não tem “culhões” para colocar seu nome embaixo!

    Isso aí! Continuem, homens! Confirmem para nós minhas suspeitas de que homem que se assume é raridade!

    Bem, caro Sr. Hacker (pra quem não sabe, “LulzSec”, como assina nosso leitor aí de cima, é um grupo de hackers considerado “terrorista” dentro da Internet.):

    Pra começo de estória, se és mesmo um hacker, como tua assinatura sugere, já demonstras que tens uma personalidade transgressora, o que portanto me faz pensar que podes muito bem ter criado uma versão da história que contaste acima e a estás divulgando para corroborar com tua versão dos fatos. Um transgressor, pode muito bem ser um agressor. Mais ainda quando o cara admite que “queria matar o fresco do namorado” de alguém.

    Em segundo lugar, quem diz ser “provocado para agredir”, me soa como agressor, sim! Quem não tem o ímpeto da agressão, percebe que muitas vezes uma provocação busca outra reação que não a agressão! Talvez um pedido de desculpas, ou que pegue suas coisinhas e vá embora… Sabe-se lá!

    Outra coisa, em nenhum momento do meu post eu disse que a Lei Maria da Penha era “perfeita”, até porque leis NUNCA o são, visto serem baseadas em atos imperfeitos e, muitas vezes não prevêem “casos omissos”, como o de um falso testemunho, como afirmas ter acontecido contigo. Mas para casos como estes, existem as INVESTIGAÇÕES! Afinal, qualquer pessoa pode chegar em uma delegacia e incriminar quem bem entender de qualquer coisa, mas terá de provar depois. E se não conseguir, é arquivo de processo.

    Realmente, não considero a Lei Maria da Penha perfeita. Se assim o fosse, a mulher comprovadamente agredida (como foi meu caso – em flagrante da agressão), já deveria sair da audiência divorciada do imbecil do agressor! Acredito que ela surgiu, sim, para aumentar a proteção para a mulher e seus filhos em casos que a agressão é comprovada, tem testemunhas, provas, etc.

    E sinceramente, não é rotular, mas conversei com diversos amigos, que considero homens, no melhor sentido da palavra (caras que tem bom nível cultural e/ou intelectual, que tem bons relacionamentos, que respeitam suas mulheres) e NENHUM deles se disse contra a Lei Maria da Penha. O que me faz acreditar que homem que se fere com ela, no fundo sabe do seu desvio de caráter.

    E se alguém por aqui disse “asneiras”, meu caro, este alguém foi tu,l com teu papinho de “brother”!

    E tenho dito.

  13. Paula Berlowitz

    11 de agosto de 2011 at 11:29

    Olha aí! Me digam agora se estou errada! O Sandro não viu porque omitir o próprio nome!

    Me diz, Sandro: a Lei Maria da Penha fere teus brios de alguma forma? Garanto que não!

    Só uma coisa: como eu disse em meu texto, o MEDO não deve ser impedimento para que a mulher se defenda de um agressor, afinal MEDO ela também continuará sentindo, dentro da própria casa, se continuar vivendo com ele!

    Agradeço tua participação! Ela é muito positiva para demonstrar que nem todo o cara se sente na defensiva, quando o assunto é a agressão à mulher!

    Mas te faço uma sugestão: o teu apoio às mulheres, para acabar com esta barbaridade, como tu mesmo disseste, poderia começar dentro da tua família! Convença tua mãe a denunciar teu pai e se separar dele! E se tua mãe tem medo, de fato, pode fazer como fiz: solicitar uma medida protetiva, que determine que teu pai não poderá mais se aproximar dela! Caso teu pai infrinja a medida, poderá ser preso!

    E advirta teu pai sobre isto! Peça que não a moleste mais e que se afaste dela, ou busque auxílio psicológico, pois o agressor pode ter cura, se assim quiser, se admitir que é um doente (sim, isto é uma DOENÇA!).

    Bjs e boa sorte!

  14. Raphaella

    12 de agosto de 2011 at 2:26

    Parabéns à autora do post…Que sirva de exemplo para outras mulheres.
    Agora eu fico assustada com a onda de homens machistas e homofóbicos
    que vem aparecendo de uns tempos pra cá,provavelmente inspirados no babaca do Marcelo Dourado(ex-bbb,ou seja um zé-ninguém),e daquele deputadozinho imbecil chamado Jair Bolsonaro!Eu como mulher,e homossexual fico me sentindo cada dia mais acuada,mas são pessoas como você que me reacendem a confiança nesse país…

  15. alita

    12 de agosto de 2011 at 12:04

    hahaha, pra “superpoderosa” moni ali em cima, se vc pode fazer tudo o que um homem faz e melhor, então logo não precisa dessa lei ridícula, aliás, se as mulheres são assim tão poderosas, como é que foram os homens que inventaram a maioria das coisas, inclusive o computador onde vc e essa outra aí(que até concordou qdo vc falou mal dos homens, igualdade estranha essa, né?)postam as merdas de vcs!

  16. Paula Berlowitz

    12 de agosto de 2011 at 16:26

    Caro(a) Alita:

    A leitora Moni, acima, falou mal de homens cafajestes. E desses, é bem merecido que se fale mal. Bem como de político corrupto, padre pedófilo, mulher oportunista e qualquer outra pessoa sem moral que houver por aí!

    Eu não falei mal junto. Inclusive elogiei o meu homem e o meu irmão e tenho muitos amigos de personalidade louvável! Mas acredito que ninguém deva precisar de ninguém, mesmo. Pessoas devem viver juntas porque QUEREM, por que se gostam, e não para uma ser válvula de escape das frustrações da outra!

    A Lei Maria da Penha é uma lei criada para que se assegure à mulher que sofreu agressão doméstica uma maior proteção e punições mais severas ao seu agressor. Então te pergunto: Por que a Lei Maria da penha é ridícula, em tua opinião?! Achas que as mulheres deveriam tomar soco e ficarem quietinhas?!

    Pois bem, então respondo tua pergunta: Foi porque por séculos elas fizeram isto (subjugaram-se) que os homens tiveram a chance de ter inventado a maioria das coisas.

    E neste mundo dominado por homens, o que se viu até hoje foi guerra, discórdia, preconceito e desigualdade.

    Desde que a mulher decidiu se impor e saiu pra trabalhar e assumir seu lugar no mundo, o que temos visto são povos tornando-se mais livres e mais pessoas podendo agir mais livremente! Coincidência? Acho que não!

    Não acho que as mulheres sejam MELHORES do qque os homens, como tampouco acho que sejam os homens melhores do que as mulheres (já falei sobre isto em meu post sobre o Sexismo nas embalagens dos brinquedos). Creio que ambos tem aptidões e habilidades diversas, algumas para as quais estão mais aptos e outras menos (uma mulher não seria tão boa estivadora quanto um homem, pois em geral, tem menos força física, por exemplo. E um homem talvez não fosse tão bom babysitter, pois as mulheres tem a sensibilidade mais aguçada.). Mas para o magistrado, direito, economia, ciências, política, etc, é só dar tempo ao tempo e todos poderemos contemplar os resultados positivos desta associação de homens e mulheres como seres aptos a gozarem dos mesmos direitos.

    Ninguém quer que homens e mulheres sejam IGUAIS! Mas possam ter direitos, uns quanto os outros!

    E se a mulher se anulou por tanto tempo, foi porque, por obviedades biológicas, era ela quem acabava tendo de ficar “dentro da caverna” enquanto o homem ia “em busca do alimento”, pois ela é quem dá à luz as crias, oras! Isto não é claro?! É só estudar um pouquinho pra saber!

    E quanto as “merdas” que eu posto, me indique suas matérias, para que eu possa aprender contigo a postar coisas melhores, por favor!

    Se bem que, pela falta de qualidade do teu texto, não parece teres muito a me ensinar…

    E curioso, né, gurias? Quase todo homem que comentou esse post até agora disse não ser agressor, mas agrediu: um disse que eu digo “asneiras”, o outro que posto “merdas”, o outro que “queria matar o fresco do namorado” da ex… Se verbalmente, via web já agridem, só confirmar a necessidade da existência de uma Lei como a Maria da Penha!

    Ai, queridos! Vão ler um livro! Valeu!

  17. Paula Berlowitz

    12 de agosto de 2011 at 16:39

    Sim, Raphaella!

    Eu também!

    Só pelos comentários aqui neste post já deu pra sentir a hostilidade da maioria deles! Passaram e comentaram para nos dar a prova!

    Quer saber da maior? Quem agride, seja homem, seja uma mulher, seja quem for, no fundo é um (a) grande frustrado (a)! Ou se sente inferior aos outros, ou é impotente, ou é frígida, ou não é quem ou como gostaria de ser, ou não tem razão e tem consciência disso, ou é psicopata! E para todos estes casos, fora o psicopata, existe solução!

    Quem se conhece e sabe de seu valor, não precisa viver na ofensiva (defensiva é outra estória!)

    Então, minha dica para os “ofendidinhos” com a Lei Maria da penha é : Cresçam e apareçam! Duvido que algum de vocês seja “o cara”, feliz, amado, bem sucedido e de bem com a vida! Porque se fossem, não teriam essa raiva contida, essa necessidade de tentar ofender quem vocês nem conhecem! Vão atrás de seus sonhos e tentem ser mais felizes! A vida é uma só!

    Boa sorte!

    E agradeço tua colaboração, Rapha!

    Ah, e quanto ao Bolsonaro, eis um sujeito que me dá vergonha! Não tenho vergonha de admitir que sou filhada ao mesmo partido que ele, o PP, que é um partido de boa ideologia. Mas um partido não é formado somente pela personalidade de um mau político. Um cara que nem o Bolsonaro, sim, deveria ter vergonha de ser político! Deveria se aposentar (já que já vai ter direito à uma gorda aposentadoria) e ir pra sua casa fazer palavras cruzadas, e não continuar na vida pública, perpetrando preconceitos que há tanto tempo a sociedade luta para extinguir!!

  18. alita

    13 de agosto de 2011 at 11:10

    a velha lenga-lenga de sempre: mulheres não tiveram chance e não sei mais o que, mas a verdade é que tiveram chance sim, e hoje tem mais ainda, mas a única coisa que sabem inventar( e isso com a ajuda de homens que se deixam influenciar por vcs )são leis ridículas e anti-homem, como essa maria da penha(que ficou toda raivosa quando teve alguns homens que conseguiram ser beneficiados por essa aberração jurídica )e tb outras coisas pra obter privilégios!

    ah, e a sua amiguinha “superpoderosa” não falou só de homens cafagestes, ela foi muito clara:”homem só presta pra fazer filho”, e vc concordou com o sexismo dela, não tente disfarçar!

    e outra: como toda boa feminista louca e rancorosa(redundância)vc diz que os que apareceram aqui hostilizando o feminismo não passam de frustrados, etc…aquele velho clichê de vocês,”homem que concorda comigo é bonzinho, os que não concordam são frustradinhos, tem ódio de mulher, etc…”, a gente passa aqui só pra vc saber q não são todos os homens que são uns bananas que nem vc e suas confrades estão acostumadas, e somos hostis sim, como ser amigável com um movimento louco que visa submeter o homem, se escondendo atrás da máscara de igualdade? felizmente a máscara está caindo e o mundo começa a perceber a hipocrisia de vcs!

  19. Paula Berlowitz

    13 de agosto de 2011 at 16:07

    Sr. Alita,

    Me pergunto o que alguma mulher já não deve ter te feito para que tenhas toda essa raiva das mulheres!

    À respeito da Moni, pra começo de estória, ela não é minha “amiguinha”. É uma leitora do CromossomoX. A conheço ainda menos do que a ti, que já se demonstrou mais do que ela.

    Não concordei com o sexismo da leitora. Concordei, sim, foi com o fato de a mulher ter plenas condições de ser independente. Me parece que tens um problema de compreensão do que lês. Ou usas as informações de maneira tortuosa para tentar confundir teu interlocutor (mais sobre esta prática pode ser lido em “Como vencer um debate sem ter razão”, de Arthur Schopenhauer, um dos meus filósofos favoritos. Homem, por sinal, por que não?!).

    Se releres minha resposta, verás que eu disse que “quem agride”, seja homem, seja mulher – o sexo do agressor pouco importa – é uma pessoa infeliz.

    Não tenho ódio de homens, amigo! Cresci entre eles. Tenho muitos primos e um irmão. Grande parte de meus amigos, a vida toda, foram homens. Meu pai foi um grande amigo, também. Vivo com um homem e sou bem apaixonadinha por ele. Mas acho que agressor, seja homem, seja mulher, deve ser punido, sim!

    Mas um conselho que te dou, embora não tenhas me pedido, é: procure um atendimento terapêutico! Não me pareces alguém muito em paz! A vida de alguém assim não deve ser nada agradável…

  20. alita

    13 de agosto de 2011 at 16:26

    aí é que vc se engana, sou muito em paz, sabe pq? pq no meu ambiente não convivo com mulheres inconformadas com a própria natureza, já leu freud, sobre a inveja que as mulheres tem dos homens? acho que não, afinal, feministas só lêem aquilo que lhes é conveniente, as mulheres do meu meio não tentam superar os homens, elas sabem o lugar que lhes compete!quanto à sua amiguinha superpoderosa, amiguinha sim, pq apesar de vc ficar negando agora, vc concordou sim com o sexismo dela, aconselho ela a tentar mostrar o “poder”dela com homens de verdade, aí veremos o quanto ela é poderosa!
    e não me chame de meu amigo, eu não tenho amigas que procuram diminuir os homens(claro, exceto os que não honram suas bolas e baixam a cabeça para loucas como vc e sua amiga)logo, não sou seu amigo!
    sua linguagem rebuscada não passa de engodo, pois palavras bonitinhas não diminuem as falácias e rancor dos seus textos!
    que bom que vc sente vergonha do bolsonaro, geralmente homens como ele causam essa sensação entre as células cancerosas da sociedade!

    é o que sempre dizem: se conhece o caráter de uma pessoa qdo se dá poder a ela, e posso dizer, o caráter de vcs, feministas, dá ânsias de vômito!
    e mulheres(as que me envolvo, pois sou muito seletivo)nunca me deram nenhum motivo para rancor, ao contrário do que vc falou, já vc……..acho que vc e suas confrades é que precisam de atendimento PSIQUIÁTRICO!ah, mas esqueci, mulheres, principalmente feministas, tem o defeito de projetar nos outros os seus próprios podres!

  21. celobacci

    13 de agosto de 2011 at 22:50

    assim, sr noname e outros simpatizantes de terroristas…
    vocês nào podem dizer que a lei veio pra acabar com os “homens”, porque um “homem” jamais bate em uma mulher, quem faz isso é um animal raivoso e tem de ser tratado como tal.
    vocês tem todo o direito de nào gostar, mas manifestar-se a favor de “bater em mulher” e ainda justificar, francamente!!!!!!!!
    creio que vocês são misóginos, só isso explica a reação desproporcional, raivosa e intolerante.
    se vocês consideram-se “homens”, então quero ser enquadrado em outra categoria, porque um homem de verdade jamais machuca o ser que ele veio pra proteger e amar.
    um pouco de felicidade na vida de vocês melhoraria tudo.
    era isso.

  22. Paula Berlowitz

    13 de agosto de 2011 at 23:02

    Clap Clap Clap, Sr. Bacci!

    São homens como tu que fazem com que nós, mulheres não precisemos odiar “homens”!

    Como tu mesmo disseste, estes dos quais temos repulsa (ódio seria demais para o merecimento deles) são animais raivosos!

    Homem é outra coisa! Homem acolhe, apoia, dá carinho, tem orgulho dos feitos e conquistas da sua mulher e, ao invés de se sentir afrontado por ela, cresce lado a lado da sua companheira!

    Aqui em casa, vivo com um homem. As infelizes “selecionadas” pelo Sr. Alita vivem ou viveram com um animal!

    Mas a vingança quanto a estes que assim o são, nenhuma mulher precisará buscar: ela virá sozinha da forma da própria infelicidade da vida deles!

    p.s. Como disse meu “namorido”, hoje, quando eu mostrei os comentários do Alita: “Este tipo de cara se sente inferiorizado, por isso reage assim. E ele não notou que tu estás expondo um assunto. Ele está apenas expondo o ponto de vista DELE. E solução para o problema? Ele tem alguma para apresentar? Não!”

    Valeu a participação, Celo!

  23. celobacci

    13 de agosto de 2011 at 23:05

    guria, ese “tipo” de gente, raivosa, tem de rever os conceitos e evoluir, já passando da era neand
    erthal…

  24. Paula Berlowitz

    13 de agosto de 2011 at 23:10

    Sim, e garanto que deve ser crente! A “turma do evangelho” e do “Orgulho Hetero” em nada demonstra o “amor no coração” que a bíblia, que eles tanto gostam de citar, diz pregar… rsrsrs

  25. celobacci

    13 de agosto de 2011 at 23:15

    aos hipócritas, os lobos!

  26. alita

    14 de agosto de 2011 at 8:49

    clap,clap,clap, pena que essas palminhas aí sejam da feminista teleguiada acima para o não-homem logo mais acima!pro seu governo, imbecil, vivo e muito bem com minha mulher, ela jamais me deu motivos para bater nela, mas se uma mulher qualquer ousasse me dar sequer um tapa, estando sem razão, eu devolveria com bem mais força, pois homens, exceto as bestas lambedores de salto como vc, não devem jamais aceitar agressão de ninguém,estando com a razão!em mulher não se bate, desde que ela não tente o mesmo antes!
    e não sou crente, sou ateu, mas jamais ficarei do lado de movimentozinhos parasitas como o feminismo, gayzismo e etc…
    ah, só pra complementar:se engolir toda a besteira que esses movimentos aí querem nos colocar for evolução, então melhor arrumar outro conceito pra essa palavra. o estranho é que qdo esse pessoal era minoria(antes de terem contaminado os fracos de cabeça)viviam pedindo tolerância, agora que obteram algum poder, querem até fazer leis para prenderem quem fala contra eles, só que a reação já começou e está se fortalecendo a cada dia, suas risadinhas aí são típicas de gente com medo, sim, pq vcs estão com medo, pq a cd dia que passa vcs estão sendo mais e mais desmascarados!

  27. Paula Berlowitz

    14 de agosto de 2011 at 18:12

    É… Alita diz viver bem com sua mulher, mas será que ela também acha que vive bem com ele?

    Ou ela não tem o direito de achar coisa nenhuma, pois é mulher?!

    “Quem acha ou deixa de achar qualquer coisa lá em casa sou eu!”, diria o superhomem Alita! huashuahushu

    Ô, Alita, ser das cavernas: Uga, uga pra ti também!

    Alita, é impossível que vivas com uma mulher! Tu vives com uma pobre coitada! Com TODA a certeza, só pelo que já nos demonstraste por aqui!

    Mulher alguma seria feliz do lado de um cara ignorante igual a ti! E se ela finge viver bem contigo, talvez seja porque pagas as contas (e até o papel higiênico)dela ou porque ela tem medo de ti, uma vez que, pelo que já nos demonstraste, és um chauvinista, estupido, agressivo, mal educado e infeliz! Notadamente INSANO! Até eu já estou com Medo! CREDO!

    Mas em uma coisa concordo com Alita: mulher também não tem de agredir o homem, não! Seres humanos tem o dom da fala! Podem conversar! Não precisam “sair no braço”, linguagem que Alita entenderá, já que meus textos são muito “rebuscados” para o nível dele… heheheh (e eu que achava que escrevia em português normal…)!

  28. Paula Berlowitz

    14 de agosto de 2011 at 18:14

    E é lamentável que um ateu tenha estas idéias… São ateus iguais a ti que “queimam o filme” de nós, ateus decentes, perante a sociedade!

    “Morre, Diabo!”, como diria o Nóia!

  29. Kika Freitas

    14 de agosto de 2011 at 20:46

    Como não faço parte das estatísticas, não posso deixar de me pronunciar. A lei Maria da Penha foi criada após o meu espancamento em praça pública por um ex-namorado. Não, senhores fulanos, eu não agredi ele. Inclusive, perante a racionalidade, não tínhamos mais nada. Fui ingênua de acreditar que não aconteceria comigo, afinal, sabia que ele tinha agredido a ex-namorada. Mas, igualmente ingênua na época, achei que ela tinha provocado ou dado alguma causa plausível.
    O que fui aprender depois é que nenhuma causa é plausível. Há poucos anos que fui me tornar apta a sair sem temer ser perseguida como fui ao término de um processo que, sem a lei em vigor, não me dava a menor segurança.
    Não vinculo a eficácia ou não da lei a religiões ou qualquer leva de crença, até porque me considero uma mulher religiosa, e isso não me impediu de tomar uma atitude. E não conheço ninguém que tenha se postado contra meu processo por quesitos de crença religiosa, em nenhum núcleo que eu frequente com relação a isso.
    Igualmente não me acho sexista ou feminista. Apenas acredito que algumas pessoas têm o péssimo hábito de determinar propriedade sobre as outras, e acharem que podem fazer tudo o que querem com seu ‘pertence’. E o que pode cer um ciuminho considerado ‘saudável’, pode virar uma patologia e assumir proporções de destruição. Do indivíduo, do casal, da família.

    Postar-se contra a lei é habitual no Brasil. Triste, mas real. Mas o círculo de repetições que acontece em famílias que sofrem com a violência doméstica, que brutalizam e assombram inclusive quem não está envolvido, como filhos ou parentes próximos, faz a lei ser necessária. Se o ser humano evoluir a ponto dela ser desnecessária, eu acredito que todos os índices de violência cairiam. Seria a humanização.

  30. Paula Berlowitz

    14 de agosto de 2011 at 22:32

    Olá, Kika!

    Taí um comentário de alguém que demonstra estar gozando plenamente de suas faculdades mentais (pelo menos as mais importantes para um relacionamento social saudável rsrsrs)!

    Nem precisa de grandes respostas, né?!

    Quanto à religião, cada um com seus problemas! =D

    E com certeza, no dia em que existirem menos nonames, lulsSecSuxes e alitas pelo mundo afora, menos leis serão necessárias!

    Valeu pela visita, Kika!

    Bjs

  31. Thais

    29 de agosto de 2011 at 19:02

    Não tinha acompanhado a discussão.
    Enfim, “homens” sem nomes além toscos e possivelmente agressores, vocês são totalmente desinformados: a Lei Maria da Penha é uma lei que foi criada, primeiramente, para defesa à mulher, em caso de violência doméstica. Obviamente, existem mulheres torturadoras, então essa mesma lei , sim a Lei Maria da Penha, é aplicada como punição às agressoras.
    Veja link a seguir: http://www.conjur.com.br/2008-out-30/lei_maria_penha_aplicada_proteger_homem
    A lei Maria da Penha é, antes de mais nada, uma vitória contra a violência doméstica, que obviamente tem incidência maior sobre as mulheres, visto que essa sociedade é machista e patriarcal.

  32. Paula Berlowitz

    29 de agosto de 2011 at 22:45

    Ótima contribuição, Thais!

    E concordo com a atitude do Juiz Mário Roberto Kono de Oliveira, do Juizado Especial Criminal Unificado de Cuiabá, citado no link enviado pela Thais, em aplicar a Lei Maria da Penha para proteger um homem. A Lei Maria da Penha deve garantir proteção à seja quem for a vítima da violência doméstica. Se a agressora for a mulher, o homem deve buscar ajuda, sim. Não por não poder defender-se, mas porque defendendo-se à altura, também acabaria por se tornar um agressor (o que, frequentemente, faz com que mulheres não revidem as agressões: por não querer compartilhar das atitudes animalescas de outra pessoa). E a mulher agressora deve ser punida! Ninguém tem o direito de agredir ninguém!

    Bem como acredito que a Lei necessite melhorias, como a punição do falso testemunho, no caso de constatar-se um perjúrio de uma falsa vítima. Mas pelo menos existe a Lei. É uma pena que precise existir…

  33. @ajamil

    14 de setembro de 2011 at 15:28

    Hoje a @ana_maria_braga falou sobre violência contra a mulher e os 5 anos da Lei Maria da Penha no Mais Você. Para quem não viu, deixo um link: http://j.mp/p7EIbf

    A matéria me fez lembrar da excelente campanha da APAV (Associação Portuguesa de Apoio à Vítima) que encontrei e compartilhei há pouco mais de um ano no Twitter. Com o tema “O silêncio machuca”, as imagens buscam estimular as mulheres vítimas de violência a denunciarem seus agressores. Confira nos links abaixo:

    http://j.mp/qnGFfo & http://j.mp/mXrkQC

    Penso que um homem precisa ser muito covarde para bater em uma mulher. Quando a mulher é sua namorada/esposa/companheira, uma pessoa que ele deveria AMAR e DEFENDER, aí além de covarde ele é um animal selvagem. E animais selvagens só podem viver entre humanos se estiverem enjaulados.

    Enfim, é isso. Parabéns pelo texto e espero ter contribuído com meus dois centavos, como diz a expressão em inglês. :)

    Abraço,
    @ajamil

  34. Paula Berlowitz

    14 de setembro de 2011 at 16:40

    Olá, Juliano!

    O mais interessante da ideia da fotos da campanha que enviaste é que as mãos das mulheres, fazendo o sinal de silêncio, são de homens e não delas próprias! Ficou muito bem bolado!

    Vou te seguir pelo meu twitter pessoal, o @PaulaBerlowitz, pois no @QGCromossomoX só seguimos mulheres!

    Ah, tbm gostei do avatar do “The Great Ludwig Van”, como o chamavam no Laranja Mecânica! Adoro! Tanto o Beethoven quanto o filme.

    Adorável contribuição!

    Volte sempre!

  35. @ajamil

    14 de setembro de 2011 at 18:07

    Exato, Paula! Creio eu que pra passar a ideia do medo que os agressores impõe a elas. É tipo: “abre a boca pra ver o que acontece!” E muitas ficam em silêncio, infelizmente. O silêncio que machuca.

    Mas a criação da Lei foi um passo importantíssimo para acabar com esse absurdo. Agora precisamos estimular e encorajar as mulheres a denunciarem esses canalhas para que um dia a violência contra a mulher, principalmente a doméstica, seja só uma triste lembrança do passado.

    Quanto a Beethoven, sou fã inveterado! Aliás, amo música erudita desde que me conheço por gente. Logo perceberá isso no Twitter.

    Ah, listei o @QGCromossomoX por lá, então acompanharei o blog de perto. ;)

    Beijos!

  36. Pingback: Aborto: uma decisão muito pessoal para poder ser julgado por justiça ou religiões | CromossomoX

  37. marcelo

    25 de novembro de 2011 at 17:19

    lei anti democratica , lei anti-homem as mulheresse tornram mais atrevidas depois disso , usam a lei como vingança por separação ou quelquer problemas que elas tenham igual a lei contra pedofilia tinha mulher até acusando em falso o ex só pra ferrar a pessoa , as leis tem que ser justas para todos os seres vivos homem , mulher ou animal

  38. Paula Berlowitz

    25 de novembro de 2011 at 20:01

    Concordo contigo, Marcelo!

    E mulher que preste falso testemunho em uma situações graves como estas, deveria ser julgada, também! Como em qualquer situação de falso testemunho é dentro da Lei.

    As leis devem ser justas. Mas é importante que surjam. E nós, cidadãos, devemos nos expressar para que estas sejam moldadas para melhor.

    É uma pena que pessoas se aproveitem da Lei de maneira desonesta, pensando apenas no benefício próprio. E isto eu não defendo DE FORMA ALGUMA!

    Alias, é uma pena que se faça QUALQUER coisa, apenas pensando no benefício próprio, afinal, somos todos parte de um organismo só!

    “Todos somos UM!”

    Abraços.

  39. Lucio Satiro

    15 de janeiro de 2012 at 10:32

    Criaturas idiotas e desprezíveis !! Por que vocês não buscam mais informações também sobre a violência que as mulheres fazem sobre os homens ? OU vocês, ignorantes,não sabem da pesquisa feita pela UNIFESP,alguns anos atrás, na qual, para o choque dos próprios pesquisadores, MULHERES AGRIDEM MAIS DO QUE HOMENS NOS RELACIONAMENTOS ? Quer ver ? Digite essas mesmas palavras no Google que vocês vão entender, seus imbecis. Vocês estão fazendo terrorismo de gênero, ao colocarem essas mulheres vítiams de agressão em um pedestal, como se fossem anjos intocáveis e sem defeitos, e colocando homens como monstros. Vocês deveriam ser processados por manipulação da verdade.
    A violência da mulher contra o homem existe e MUUUITO, e está disfarçada na sociedade com frases do tipo “Você não é Homem”, “Você nem parece Homem agindo assim” ou então uma que ouvi das próprias mulheres muitas vezes sobre os maridos delas “Fulano é um banana, faz tudo o que eu mando”.Ou então quando mulheres vão pra internet dizer que os homens não tem a PEGADA ela está demosntrando de forma disfarçada o que os psicólogos chamam de “Fantasia de Estupro” que é recorrente na maiorias das mulheres e que as pessoas não têm coragem pra falar sobre isso por que é politicamente incorreto.
    Ao caralho com o politicamente correto, meu compromisso é com a verdade. E a verdade é que o homem é tão vitima que uma vez que vá denunciar também a sua parceira, ele sofre da própria policia e da sociedade o preconceito: “Ihh, olha lá o cara que apanha de mulher” vi isso acontecer em Fortaleza quando uma mulher desceu a porrada num assaltante e depois de preso as próprias autoridades zuavam da cara do sujeito diante das câmeras de TV.
    E já vi muita violência doméstica praticada por mulheres por ciúmes contra seus maridos, uma das quais,casada com um primo meu, após ter quebrado tudo em casa, foi preciso dois homens para segura-la, tamanha a sua fúria.
    A violência é repugnante de ualquer dos lados, mas tem muita mulehr folgada, que casa não estando preparada e age como se fosse solteira, desafiando a paciência e desrespeuitando seus homens:melhor fora que nunca assumissem compromisso com ninguém e DEIXASSEM CLARO AS REGRAS PARA O HOMEM desde o inicio: fulano, não me submeto a regras e você não vai mandar em mim.É melor eu dizer isso desde o começo pra depois você não falar que não sabia”. Fácil, fácil ,mas mulheres são mentirosas e dissimuladas por natureza, elas detestam a verdade.
    Aí vem você, sua idiota, colocar essas mulheres num pedestal comose elas fossem sacrossantas e os homens, monstros pérfidos cuja única alegria seria chegar em casa e sentar a porrada em suas mulheres sem que estas tivessem feito nada pra merecer.Você é mais uma manipuladora que usa fotos pra fazer chantagem emocional. Deveria também usar fotos das três milhões de criancinhas indefesas que foram assassinadas pelas p´roprias maes nas próprias barrigas. Também das crianças jogadas em lixões, lagos e vias públicas pelas próprias mães. E dos velhinhos que as cuidadoras espancam quando foram contratadas para cudiarem deles.
    Deveria também estudar o outro lado da agressão doméstica de homens contra mulheres, pra entender o por que ocorre isso e como evitar. O sentimento de posse que algumas mulheres alegam pertecer aos homens, pertence muto mais às mulheres, pois eu ja presenciei mulheres furando pneus de carros de namorados, já li sobre elas mutilando os pênis deles, matando a facadas suas rivais, até por uqe a rivalidade entre as mulheres é coisa conhecida e algo até biológico.A obsessão ocore dos dois lados e enquanto eu mesmo, em minha fase de cafajeste quando mais novo, levei várias mulheres casadas pra cama, seus maridos se matavam de trabalahr pra sustentar o lar.
    Cala logo essa porra de boca, sua incompetente ou vai estudar o lado masculino para se ter uma visão geral do assunto. Só então, quando homens e mulheres forem honestos e abertos sobre seus sentimentos, a famigerada violência acabará.

  40. Paula Berlowitz

    15 de janeiro de 2012 at 14:20

    Olá, Lucio Satiro.

    Teu comentário, além de agressivo, repugnante e ofensivo, só demonstra que nem ao menos leste os comentários prévios aos teus, feitos sobre meu texto, bem como minhas respostas a eles.

    Peço que os leia. E depois disso, me avise, e então teremos condições de debater.

    Por enquanto, tuas palavras foram demasiadamente chulas para que eu mê de este trabalho.

    Aguardo novo comentário. Um no qual não estejas ME agredindo, sem nem ao menos me conhecer para que o tenhas feito com alguma razão minimamente justificável!

    Qual é o TEU lado “masculino” que devo estudar para entender o porque de teres me chamado de incompetente, idiota, ignorante, imbecil e desprezível?! Misoginia?! Já a estudei bastante.

    Reflita e responda.

    Até mais.

  41. Pedro Ferraz

    17 de janeiro de 2012 at 16:53

    Serei bem breve. Cresci vendo meu pai batendo em minha mãe. Era bem comum e minha mãe não denunciava, e nem existia a tal lei quando eles ainda eram casados.
    Como eles se separaram qnd eu tinha 8 anos, acabei amadurecendo sem meu pai. Pra mim foi ótimo, pois caso contrário eu teria achado isso correto e certamente refletiria em minha personalidade.
    É um tanto ruim dizer isso, e parece que sou uma má pessoa, mas não sou não. Esse ano, estava em meu quarto de hotel(moro em um hotel em Foz do Iguaçu)e fiquei sabendo que meu pai havia sido preso. motivo? Agressão a minha madrasta. Fui levar comida pra ele e tudo mais, mas sinceramente,achei legal vê-lo naquela situação. Ver se aprende ou evolui. Mas o resultado disso é que hoje meu pai mora comigo em um quarto de hotel… Acabou que ele hoje não tem ninguém ao lado dele e, em breve,nem eu…

    No meu blog tem uma postagem sobre um delegado que pediu propina. é o desenrolar do caso também,de uma olhada. Parabéns,blog muito bom

  42. Paula Berlowitz

    17 de janeiro de 2012 at 20:28

    Poxa, Pedro, o que posso dizer… Teu comentário me encheu de lágrimas nos olhos. De verdade.

    Muitos homens, aí pra cima, nos comentários, tentam (em vão) justificar as agressões, e chegam ao absurdo de tentar defender esta postura, dizendo que a culpa é das mulheres.

    É claro que assim como existem homens mau-caráter, também existem mulheres assim. E para estes, inclusive a Lei maria da Penha já foi utilizada para DEFENDÊ-LOS, pois pune a violência doméstica, seja quem for o agressor – homem ou mulher- de acordo com a interpretação dos juízes deveras JUSTOS.

    O fato é que a pessoa que sofre deste desvio comportamental – agressores- muitas vezes é, como no caso do teu pai, a maior vítima da própria agressividade, pelo simples motivo que citaste: todos acabarão se afastando dele!

    Consideras que uma pessoa assim, além de não conseguir fazer sua esposa e filhos felizes, consegue ser feliz? Não, né?!

    Então, minha sugestão para pessoas com o temperamento do teu pai é: PROCURE AJUDA PROFISSIONAL! Muitas vezs o histórico familiar FABRICA um agressor. Teu pai pode ter assistido violência entre teu avós, ou ter sido vítima de violência quando criança. Mas tua mãe e outras mulheres não são as responsáveis por isso, então SÓ ELE PODE SE AJUDAR, não é mesmo?!

    Já conversaste com ele sobre vocês (sim, poderias ir com ele!) buscar uma terapia? Normalmente, reconhecer os próprios erros, limitações e fraquezas é o primeiro grande passo para a própria evolução e aperfeiçoamento.

    Tenta te tornar mais íntimo dele: busce entender o que o fez se tornar uma pessoa violenta. Muitas vezes o agressor está sempre na defensiva, apontando o erro alheio por não querer dar margem aos outros de enxergarem os erros dele. O que acaba sendo um “tiro no pé”. Convença-o a buscar ajuda!

    É muito triste pensar que todos poderíamos ser mais felizes e que orgulho e egoísmo muitas vezes impedem que isto aconteça…

    Boa sorte para vocês!

    Obrigada pela tua participação.

    Um beijo.

  43. Car

    3 de março de 2012 at 11:26

    Acho que os homens deveriam adotar um critério que as mulheres adotam: se casar com alguém financeiramente melhor. Casar apenas com quem já é feliz. Aí a violência diminuiria 100% já que alguém que teve uma péssima infância, dificilmente será uma boa esposa.

  44. Paula Berlowitz

    3 de março de 2012 at 12:48

    Olá, Carlos.

    Teu posicionamento denota que só é feliz quem vive bem financeiramente, e que quem tem menos posses, não é feliz?

    Então citarei um lindo exemplo que vi, ainda ontem, aqui na minha cidade (Porto Alegre), na esquina da Av. João Pessoa com Venâncio Aires, quando eu acabara de deixar meus filhos na Escola: uma família aparentemente paupérrima (em termos financeiros), “pilotando” uma carroça de coleta “irregular” de lixo. O homem, carinhosamente, com o braço envolvendo sua esposa. A esposa, carinhosamente, afagando os cabelos da filhinha, de seus 6 anos, na qual deu um beijo, fazendo a menina olhar para o rosto da mãe e abrir largo sorriso.

    Sorri, ao ver a cena, e lacrimeje, feliz de ver que está certo quem afirma que a paz vem de dentro! Se tiver dinheiro, melhor. Mas não é isso que faz de um homem um agressor.

    O que gera agressores é a sociedade machista, dogmatizadora e religiosa na qual vivemos.

    Acaba-se a crença de que a mulher “é aparte do homem”, acaba-se o machismo.

    A agressão é um problema muito mais cultural do que econômico.

    Se estivesses certo, mulheres de alta classe social não seriam espancadas por seus maridos, também abastados.

    Reflita mais sobre o assunto.

    Um abraço.

  45. Rodrigo

    21 de março de 2012 at 22:01

    Essa lei é totalmente inconstitucional. Já foi provado que que homens sofrem violência doméstica na mesma proporção que as mulheres, só que muitos os homens que sofrem agressão não vão a polícia por medo de preconceito. E os homens sofrem muito mais violência psicológica por parte das mulheres.
    A justifica deles para esse lei é que as mulheres são mais fracas que os homens, isso também não é verdade já que existe muitas mulheres que são mais fortes que certos homens e como se força física fosse um grande diferencial hoje em dia, onde tem facas, armas e etc…

  46. Paula Berlowitz

    21 de março de 2012 at 22:29

    Olá, Rodrigo.

    A Lei NÃO é inconstitucional, uma vez que juízes já a tem usado para defender também os homens vítimas de agressão doméstica.

    Quanto a incidência das agressões, a violência no âmbito doméstico exercida por mulheres contra homens chega a, no máximo, 37%, em algumas regiões. Na grande maioria mais de 80% dos casos de agressão doméstica são cometidas por homens.

    Nem há muito o que se discutir, uma vez que a própria Ciência, na área de genética, já demonstrou que, no cérebro masculino, as amídalas – parte do cérebro responsável pela agressividade – são maiores. Sendo assim, estás “chovendo no molhado” com tua opinião.

    É lastimável, cada vez que tenho de entrar aqui para dar mais uma aula de estatísticas para mais um machista…

    Curioso (ou não) que TODOS os homens que conheço que NUNCA agrediram uma mulher não se opõe à Lei Maria da Penha, o que me leva a crer que os que a criticam “tem culpa no cartório”.

    Ah, só a título de informação: 93% da população carcerária é composta por homens! Apena 7% de nossas apenadas são mulheres, a maioria presa por tráfico de drogas – frequentemente cometido junto como parceiro ou por indução deste, seja por medo, seja por “amor”. E por sinal, a ideia de “Cadeias” como método punitivo também veio do cérebro feminino! O método punitivo usualmente aplicado pelos homens era a TORTURA!

    Preciso dizer mais alguma coisa?

  47. renata

    2 de junho de 2012 at 20:47

    Por favor me add no msn renatarafael1@hotmail.com

  48. tete

    13 de junho de 2012 at 15:08

    ola paula
    gostei muito de seu site e seus comentarios!!!!!!!!!

  49. Pingback: Violência Doméstica: um problema de Saúde Pública mais comum do que se imagina | CromossomoX

  50. Alessandra oliveira

    1 de maio de 2013 at 6:14

    Ola gente eu me chamo alessandra tenho 18 anos,sou casada e hoje estou muito feliz.
    A 10 meses atras namorava com um rapaz,eu morava na casa dele,eu era baba dos irmaos dele,quando fui morar na casa dele eu tinha acabado de completar 14 anos,no comeco ele zoava muito comigo me umilhava,ao passar do tempo ele se apaixonou por mim,entao eu e ele ficavamos muitos sozinhos,agente foi ficamdo acabou que eu me apaixonei por ele,ai comecamos a namorae no comeco era legal,depois ele comecou a me bater por ciumes com
    e me trancar dentro da casa dele,nao deixava eu sair pra canto nenhum a nao ser se fosse so com ele,eu comecei a odiar ele,quando ele queria me beijar ou fazer algo comigo eu cuspia na cara dele de tanto nojo ,eu nao podia falar nada pra mae dele se nao eu ia embora e eu nao tinha para onde ir.
    Entao quando foi no carnaval de 2012 eu conheci um rapaz e fiquei completamente apaixonada por ele,comecei a sair escondido para me encontrar com ele ,resolve contar para mae do perfido que me batia,ela contou pra ele,ele ficou com odio,eu tinha saido estava com o homem que eu amava quando cheguei em casa ele estava me esperando na porta,me pegou pelo cabelo me deu tanta porrada ,nao me matou por causa da maldita da mae dele,no outro dia veio me pedir desculpa e dizer para me se eu nao parasse de ver o rapaz por quem eu era apaixonada ele matava ele,entao comecei a viver a basse de ameacas,nao tinha para onde ir,tanto a mae dele como ele me batia me mantia presa,ate que um dia conseguir fugir com a ajuda de uma vizinha e conseguir falar com uma tia minha e ela me tirou de la,depois que sair de lar ainda encontrei o cara que eu amei mas agente acabou,eu casei e ele tambem,nunca esqueci ele..

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>