Socialize

RSS Feed

Amy Winehouse: viveu rápido, morreu jovem

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (6 votos, media: 5,00 de 5)
Loading...
4.147 acessos

Amy Winehouse morreu.

A notícia, que já foi confirmada pela gravadora Universal Music Group e por diversos jornais ao redor do mundo, entristeceu muita gente, mas creio não ter sido um acontecimento triste para a própria cantora.


Amy Winehouse, 27 anos, talentosa e polêmica cantora  que repaginou o Soul, e sem dúvida uma das minhas cantoras preferidas, foi encontrada morta, hoje, em seu apartamento em Londres e suspeita-se que a causa tenha sido, obviamente, uma overdose.

Todos lastimam a morte da cantora, que nos deixou pérolas como Back to Black, Love is a Losing Game, Rehab, dentre tantas outras (que eu adooooro!) e eu, aqui, me pergunto se não seria este, mesmo, o desfecho natural da vida de Amy: a morte prematura.


Em toda sua obra, Amy Winehouse nos faz perceber o quanto era perturbador, conturbado e inquietante ser quem ela era. E é natural, em um mundo onde todos forçam o estabelecimento de padrões comportamentais, onde sempre tem um “mainstream” querendo ditar a todos quem se deve ser, que pessoas como Amy Winehouse sofram, simplesmente por serem como são: sensíveis – talvez demais, para um mundo hostil como o nosso.

Mas só quem sente em si mesmo o desconforto de nunca se enquadrar entre os demais pode entender o que Amy sentia e porque era como era. E não me impressiona nem entristece. Me dá, sim, é uma espécie de raiva de todos esses “memes” aos quais somos submetidos, levando-nos a sentir esse estranho desconforto dentro de nossas próprias peles.

As mais delicadas flores são as que mais sofrem com as intempéries e, já por isso, perecem antes. A morte nem sempre é triste: muito antes, é as vezes o fim do sofrimento. O alívio de uma dor pungente e lancinante, como parecia ser a sentida por Amy Winehouse,  frente à própria existência, que foi , ao mesmo tempo a causadora de todo o seu talento e inspiração.

É como diz o ditado e algumas lápides por aí: “Os bons morrem cedo”! Foi o caso de Amy Winehouse. Extinguiu-se de seu próprio existir.  E enquanto estava viva, não faltou quem a apontasse, rotulasse e ridicularizasse. Agora que está morta a endeusarão, pois dará IBOPE.

Posso imaginar Amy, em seus últimos suspiros, com um leve sorriso no rosto, abandonando sua existência e pensando: “Enfim, PAZ!”.  E as lágrimas?! Bem, já dizia ela, mesma: Lágrimas secam sozinhas!

Um brinde póstumo à Amy Winehouse, que como tantos outros artistas virtuosos que morreram cedo, “deixaram a vida para entrar para a história”!



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Publicado por em 23 de julho de 2011. Arquivoado em Música,Notícias. You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0. You can leave a response or trackback to this entry

Uma resposta para Amy Winehouse: viveu rápido, morreu jovem

  1. @ajamil

    14 de setembro de 2011 at 17:52

    “É como diz o ditado e algumas lápides por aí: ‘Os bons morrem cedo’!”

    Antes mesmo de chegar nessa linha eu já havia pensado em citar a frase aqui no comentário. Ela é perfeita para o caso.

    Como dizem alguns especialistas, muitas vezes o álcool e as drogas são uma tentativa de fugir da realidade, ou pelo menos ajudam a suportá-la. Creio que esse tenha sido o caso de Amy.

    Mas se pensarmos bem, nada disso nos diz respeito. Além de serem problemas dela e de seus próximos, quem aprecia a arte em sua essência jamais comete o erro de julgar o artista.

    Agora deixar eu ir embora porque deu vontade de ouvir o Back to Black de cabo a rabo! 😉

    Beijo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *